Creyssalização dos Coturnos

by - quarta-feira, maio 18, 2011

O namorado da Creyssa teve um ataque de paciência e resolveu sair na missão de achar o tal do coturninho marrom de presente de aniversário. Com toda a minha chatice (oi, não vou fazer o namorado gastar mais de 100 paus numa coisa que não tenha tocado 100% meu coraçãozinho) não consegui levar nenhum pra casa. Ou não era a cor que eu queria, ou não era confortável, e olha que provei vários modelos.

Riachuelo - R$ 149,90
Primeira estação da Via Crucis: Riachuelo, onde eu sabia que tinha esse modelo aí da foto. Achei a cor muito feia, meio marrom-cinza-dourado desgastado, então NEXT. 
Bottero (vende na Baby e na Renner) - R$ 189,90
Na segunda loja, experimentei dois modelos, um marrom bem claro do qual não achei foto na net, uma cor bem "desmaiada" que não curti, e esse aí da foto, da Bottero, suuuuper confortável, uma delícia de usar, fiquei na dúvida sobre a dobra xadrez, já que quando você usa sem dobrar, fica um pouco esquisito, e achei que depois eu ia ter um coturno datado, do tipo "oi, fui comprado quando era moda usar coturno e agora tenho essa dobrinha xadrez". Calma, que daqui a pouco vou discorrer sobre isso.
Desmond (Passarela) - R$ 99,90
Por último, eu experimentei esse aí, na Passarela, só que na cor preta. Não sei se o teria levado, porque ele não era lá muito confortável, mas os coturnos são assim naturalmente, não é ?

Procurando na internet, não é díficil achar outros modelos parecidos (todos os de baixo são da Passarela):

Outro da Bottero, por R$ 189,90 - amor total esse daí, pena que não consigo comprar sem experimentar.
Desmond, Passarela, por R$ 149,90
Outro da Bottero, R$ 249,90 - da coleção da novela Morde e Assopra.
Esse último modelo é da tal coleção da novela, e vocês sabem que nesse Brasil quem dita a moda não é a São Paulo Fashion Week, é o que aparece na Globo que pega pra valer.
Então parei para fazer uma reflexão sobre a Creyssalização das Tendências...

Li outro dia o comentário de uma garota indignada porque agora o coturno é moda, e antes era uma coisa de gente do rock, e agora ta aí, pra qualquer mocinha usar.

Concordo em partes com a indignação dela, porque acho que quando uma coisa vira tendência ela perde um pouco de identidade, começam a surgir versões domesticadas (com dobrinha xadrez, com salto) do que era um ícone, um símbolo de um tal estilo, e o código que aquele objeto representava fica enfraquecido. Você não precisa mais estar dentro de um filme do Robert Rodriguez, ser uma roqueira revoltada ou uma stripper sadomasoquista para usar seu coturno. E a tendência geral é ficarmos todas iguaizinhas. 
Mas ô Dona Creyssa, larga a mão de ser hipócrita né ? Eu mesma não vejo a hora de domesticar, suavizar meu próprio coturno com vestidinhos floridos, quê que eu tô enchendo o saco ?

O lado bom da popularização de uma peça que a gente gosta, é que temos mais acesso, começa a ficar mais fácil de encontrar, comprar (mais baratinho) e usar. O ruim não é que mais gente esteja usando, e sim perder a identidade que aquela peça tinha para você - e isso não só com o coturno, vimos isso acontecer com os queridos poás, com a cinturinha marcada, camisetas de banda, tachinhas ...

A favor da creyssalização, não da padronização ! 

You May Also Like

8 Comenta aqui >>

  1. Mas isso é que é Creyssa! Eu concordo muuuito contigo, Anna! Pq, assim, a popularização de um estilo é um desafio para quem sempre gostou dele. Por exemplo: eu comecei a gostar de saia de cintura alta há alguns anos, quando nem tinha pra vender. Vi que dava super certo com o meu corpo, então subia as saias, comprava um número menor, colocava um cinto pra segurar, e hoje já não preciso disso, pq a oferta aumentou. No entanto, você sai à noite e todas as meninas estão usando, iguaizinhas. Opa, desafio! Lá vou eu e procuro referências de pin ups, de donas de casa dos anos 50, de filmes dos anos 80, misturo tudo e fico diferente das outras, mas usando, muitas vezes, a mesma peça que elas.

    O coturno a mesma coisa. Ainda não gosto muito, mas quero uma botinha, daquelas que tem o bico mais fino, sabe? Meio ankle boot, meio coturno. Totalmente domesticada! Mas acho que pode, sim, ter a minha cara!

    Acho que vou levar essa discussão lá pro blog tb!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Adoro coturno, tive vários e o meu é basicóide mesmo, exatamente pra resistir a essas modinhas que vem e vão.
    E confesso que nunca gostei muito do "arrebanhamento" que as "tendências" causam nas pessoas.
    Acho que com pessoas como nós, que tem referências de música e cinema misturadas com as de moda, a coisa acaba ficando mais idiossincrática, com a nossa carinha.
    E, confesso, que quando bolotas, xadrez e cinturas marcadas chegaram às fast fashion, eu saí correndo pra estocar!
    heheheh

    Beijinhos, querida!

    ResponderExcluir
  3. Oi Anna, tudo bem?

    Obrigada pelos elogios ao blog. O seu também é muito bacana. Dei uma fuçada e adorei as dicas para cabelos vermelhos, mesmo tendo desistido deles. Mantê-los sempre bonitos dá muito trabalho, infelizmente.

    Que legal que vc tenha feito Imagem e Som aqui. Ano passado prestei e não consegui entrar, mas vou tentar de novo esse ano. Você está trabalhando com o que agora?

    Esses coturnos são lindinhos, mesmo. Acabei comprando um semana passada muito parecido com esse da Bottero, com a dobrinha xadrez lá na C&A. Muito charmosinho.

    Beijos Anna!

    ResponderExcluir
  4. Bom, antigamente eu ficava brava com essas coisas.. mas depois passei a perceber que fica bem mais fácil encontrar as peças e por um preço mais baixo. Passei a entender que independente da moda, fica o estilo. Nem ligo mais se o retrô tá na moda, e dai.. eu já usava e vou continuar usando.. O meu coturno, sabe de onde eu tirei? Do guarda-roupa! Tenho um já tem uns 10 anos, comprado do exército mesmo.. haha
    demorou que eu naum vou usar ele!
    Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Também concordo em partes com a indignação da guria. Mas hoje em dia não tem como evitar isso. A maioria das tendências de hoje são inspiradas em tempos antigos, e até mesmo o coturno ja teve o seu alge, então, cabe a cada pessoa saber se vai com o sua personalidade, estilo, etc...usar ou não. Eu por exemplo tenho 2 já, e não largo eles por nada.


    Beijos
    @DayaniBee

    ResponderExcluir
  6. Eu uso coturnos a uns 20 anos,sempre foi o meu sapato básico de dia a dia,eu casei de coturno hehe.Tenho um roxo que é meu xodó.
    A vantagem das modinhas realmente é poder adquirir o que gostamos,eu queria um marron há muito tempo e não
    encontrava,e tbm a oferta de modelos mais delicados e mais leves é muito bom.
    Mas ao mesmo tempo,fico com um certo ciúmes e raivinha sim,em ver aquelas pessoas que a pouco tempo me olhavam com desprezo:Credo ela tá usando vestido com coturno!desfilando agora com seus coturnos da novela!
    Vou comprar os meus é claro,mas vou esperar a modinha passar,os preços caírem,e quando vier a próxima moda,volto á usá-los com mais frequência,detesto uniformes mesmo que sejam fashion kkkkk
    bjos linda.

    ResponderExcluir
  7. A pior coisa e o fato de que com a globalizacao, essa massificacao dos gostos e uma epidemia mundial!! As meninas aqui estao vestindo EXATAMENTE as mesmas coisas que ai!!! Que triste... Eles fazem lavagem cerebral em pessoas de diferentes culturas, linguas e trajetorias e todo mundo aceita! Mesmo sendo a moda uma coisa "inofensiva", esta e uma prova de como "eles" tentam controlar e massificar todo mundo!
    Ler este post me deixou em crise!!!!

    Ah, By the way.... lindas botinhas!!!!

    ResponderExcluir
  8. oi, estou ficando louca pois nao acho o coturno da bottero com a dobra xadrez para compra, nem na minha cidade e nem via net = /
    vc sabe onde seria possivel encontrar? alguma loja online? obrigaaada

    kblacksheep_89@hotmail.com

    ResponderExcluir

E você, me conta ? Este espaço é para trocarmos ideias ! Se tiver alguma dúvida, deixe um e-mail ou link para que eu possa responder, por favor.