Posso Falar ? Sobre Fast Fashion, Trabalho Escravo e Hipocrisia.

by - sábado, agosto 20, 2011

Sempre fui consumidora de fast fashion, desde de quando minha mãe comprava o que eu usava até  a primeira peça que comprei sozinha. Me lembro da sensação fantástica de economizar o lanche, sair pra passear no centrão e voltar com umas duas blusinhas novas, que às vezes não duravam o tempo de eu enjoar delas, embora eu ainda tenha umas camisetinhas que sobreviveram (ou será que eu fiz sobreviver ?) à minha adolescência. Este é o conceito chave de fast fashion: roupa baratinha e novidades toda semana, alinhadas às tendências atuais. Alegria das creyssas, não é ?

Esse proposta de um mundo infinito da moda ao seu alcance, separada de você apenas por um crediário, é extremamente tentadora. Infelizmente, ela tem um custo, muito caro por sinal. Recentemente, a Zara foi bombardeada com a denúncia de trabalho escravo e muita gente se posicionou, postou no facebook sua indignação e prometeu boicote. Eu respirei aliviada, nem gosto da Zara mesmo, claro que tenho algumas peças de lá (nenhuma custou menos de 29,90, hehe), mas nunca gostei muito do custo benefício, achava tudo muito ruim pelo preço posto. Só que estas situações de trabalho escravo em confecções são muito mais comuns do que a gente imagina, e nas chamadas "senzalas da moda", milhares de trabalhadores brasileiros e bolivianos sub-vivem em condições desumanas: ambiente degradante, jornadas de trabalho exaustivas e cerceamento da liberdade. E não tô falando só da Zara não: infelizmente, minhas marcas favoritas, de onde tenho mais peças, a Pernambucanas e a Marisa, foram recentemente denunciadas. 

 Google Images.

E você acha que isso acontece só nas confecções, carvoarias e construção civil ? Nananina. Eu mesma fui testemunha de situações parecidas. Um pouco antes de completar 16 anos, queria começar a trabalhar, e uma amiga minha fazia uns extras aos finais de semana numa grande rede de alimentação dessas baratinhas (não, não é o MacDonalds, mas quem me conhece sabe qual é). Ganhávamos 20 reais por dia para trabalhar das 16h  até 0h, ás vezes até as 2h da manhã, numa jornada de 8-10 horas. Só hoje em dia me dei conta que este empregador estava beeeem equivocado sobre relações trabalhistas, na época eu achava o máximo ter uns trocadinhos pra gastar com blusinha e balada, ficava cansada mas me divertia e ainda pagava as prestações do meu amado cartão da CeA. Uma vez houve uma blitz do Ministério do Trabalho, e nós, os muitos menores de idade, tivemos que nos esconder em uma casa que ficava perto do restaurante, que também servia de alojamento para o pessoal que trabalhava na cozinha, vindos de outros estados, todos sem carteira assinada, com jornadas de 12 horas de trabalho no mínimo, que moravam ali mesmo num ambiente degradante e tinham que pedir autorização pra tudo que faziam. Quais eram mesmo as condições que caracterizavam trabalho escravo ? Ah, essas mesmas ?

Mas e aí, você que é uma pessoa antenada e politizada, se pergunta: até quando ? O que fazer para transformar esse cenário ? Minha vontade imediata e mais sincera é fazer boicote de TUDO, e não pode ser hipócrita, tem que parar de comprar tudo MESMO que utilize trabalho escravo: fast fashion, fast food,  equipamentos eletrônicos, não ir mais à 25 de março, e por aí vai. Tipo ir viver no mato, andar pelado de bicicleta e só comer comida orgânica. Ah, e tem que fazer a revolução social também, se não, não adianta nada. 

Não tem jeito de não sermos hipócritas, mas não podemos fingir que não é com a gente.
Com o perdão do clichê, acredito sim que nossas pequenas atitudes podem surtir transformações. Acredito na moda sustentável, em reutilizar, reduzir e reciclar. Acho que já tem muita roupa fabricada nesse mundão e  que a gente pode muito bem usar muita coisa de segunda mão, vindas de brechós ou que já foram de outras pessoas - mãe, amigas, vó.  Divida, empreste, doe ! Também acho que podemos nos virar muito bem com pouca roupa, tendo um pouquinho de criatividade, se não consegue boicotar tudo, se limite a comprar o necessário. Se não dá pra fazer tudo, a gente faz o que dá, e luta pra mudar o que não dá.

Para ler mais sobre a Zara e trabalho escravo, Fast Fashion e Hipocrisia

You May Also Like

4 Comenta aqui >>

  1. Infelizmente não conseguimos fugir dessas coisas...é trabalho escravo, produtos testados em animais, coisas que dão câncer...poxa, assim a gente não vive!
    Como eu queria virar hippie e comer tudo aquilo que eu plantasse e ia viver costurando minhas roupas...haha, brinks, não é pra tanto...mas acho mesmo que se cada um fazer sua parte as coisas podem melhorar.
    Depois de ver isso, fiquei muito afim de voltar a fazer minhas roupas com costureira e tals, vamos ver no que dá.

    Ótimo post!
    :D

    Beijos!
    =**

    ResponderExcluir
  2. É, Ana!
    Concordo com vc.
    Acho um absurdo essa situação degradante, mas não nos sobra muita alternativa a não ser virar índio.
    Mas como vc disse, busco reciclar, doar, fazer troquinhas. Já tentei mandar fazer as roupas, mas não achei boas costureiras.
    Além de tudo, é interessante discutir o assunto sim e pensar no que podemos fazer, em vez de tapar o sol com a peneira.

    Beijinho!

    ResponderExcluir
  3. Brasileiros vão trabalhar no exterior e se fodem da mesma forma que os bolivianos no Brasil.
    Concordo com o customizar, reciclar, doar. NUNCA jogo roupa fora. Sempre tem quem queira. E há não muito tempo atrás eu ganhava roupas usadas com muito gosto, de gente que tinha mais que eu.
    Também acho foda o lance de tentarem empurrar que temos que pagar caro em roupa porque fast fashion é politicamente incorreto. Não tenho vontade de pagar 100 reais em uma blusinha, e não vou.
    O que podemos esperar é que as lojas envolvidas mudem com as punições e com toda a queimação moral. E não vou jogar minhas roupas da Zara fora, isso sim seria errado. Espero que elas mudem, de verdade. E nem gosto tanto assim da zara. hehe
    bjks,
    Mel

    ResponderExcluir
  4. Falou Creyssa!rs
    Pois, é fica a dúvida da hipocrisia, né.. Eu confesso q tenho uma certo desprezo pela Zara, pois mesmo nunca tendo ido à uma, já percebi pelas blogueiras de moda q as peças lá são bem caras. E pra mim dá na mesma cobrar caro na fast fashion e em uma boutique. O problema real nem é dos consumidores das lojas, e sim da falta de punição que existe pra este tipo de crime. Vc viu que a Zara jogou a culpa no "fornecedores" de roupa.. como se o pessoal de lá não soubesse.. ai ai palhaçada, né..rs

    ResponderExcluir

E você, me conta ? Este espaço é para trocarmos ideias ! Se tiver alguma dúvida, deixe um e-mail ou link para que eu possa responder, por favor.