Uma das razões do meu sumiço.

by - segunda-feira, março 19, 2012


Faz tempo que eu queria falar aqui no blog sobre a Rosinha, mas estava esperando o momento certo.
Rosinha é uma SRD (sem raça definida, vulgo vira-lata) mistura de pintcher com basset que resgatamos atropelada na rua, com uma fratura exposta bem feia na pata. Eu, uma pessoa que mal conseguia fazer os peixinhos da festa junina sobreviverem por mais de 1 mês, vi minha vidinha ser sacudida por essa lindeza de patas e focinho (além das outras cachorras da minha vida né, Paçoca e Lucy). Rosinha ficou adotada aqui no meu trabalho durante 3 meses - desde janeiro desse ano. Nos primeiros dias, ela estava muito magra e muito debilitada, mal comia e se movimentava, e tinha de ser levada diariamente à veterinária para trocar o curativo.

ainda com o curativo, mas já toda serelepe.

Espalhamos cartazes e colocamos anúncios na internet, pois achávamos que Rosinha (o nome foi a gente que deu) devia ter um dono procurando por ela, já que ela sempre foi muito dócil e obediente com a gente. Algumas pessoas se interessavam, ligavam, mas talvez quando dizíamos que a patinha dela não voltaria ao normal - a ferida foi tratada, mas o osso já havia cicatrizado errado quando a encontramos - as pessoas desistiam, nem vinham conhecê-la. E eu ainda não consigo acreditar que isso poderia ser um motivo, que as pessoas não queriam como companhia um animal tão doce quanto a Rosinha, só porque ela tinha um "defeito" - o que para ela não significa nada, a bichinha corre e pula melhor que eu. E os outros cães que ela conheceu e fez amizade brincaram com ela sem apontar "olha lá, uma cachorrinha manca". E foi justamente por essa característica que ela foi adotada pela família da Bruna e da Bianca, mãe e filha, suas novas donas, que ela conheceu hoje. Elas também acabaram de adotar o Du, outro cachorrinho resgatado atropelado aqui no mesmo bairro, e eles se deram super bem. Nem preciso dizer o quanto estamos felizes de ter encontrado um lar tão cheio de amor pra nossa cachorrinha.

curtindo a vibe cas florzinha

Vou ficar com muitas saudades da Rosinha, não sei como vai ser chegar amanhã no trabalho e não encontrá-la lá, pulando em mim, do alto das 3 patinhas boas. A vontade de ficar com ela como mascote aqui no espaço era grande, no entanto, a responsabilidade por um cachorro "coletivo" é complicada, já que cachorro de muito dono morre de fome. Também acho que teria sido uma irresponsabilidade ter trazido ela pra morar junto comigo e minha cachorra grande e destrambelhada, a Paçoca, que está em processo de adestramento ainda. Imagine uma pastor alemão adolescente, cheia de energia e ainda não adestrada junto de uma cachorra pequena e debilitada. E não digo isso culpando a Paçoca não, não tem isso de "raça brava", acho que um dono equilibrado tem cachorros mansos e equilibrados, e nós estamos nos equilibrando e ainda entendendo como ser os melhores donos possíveis para ela (assunto para outro post).


Rosinha socializando com a Lucy (cachorra que mora com a minha mãe). Ela também fez amizades na rua aqui do trabalho, e adora brincar com a Pretinha, Kika e o Dino.

Tivemos apoio de muita gente nessa pequena grande jornada: o pessoal da AAAC, da Andrea Dezane, amigos e conhecidos. Também agradecemos a Patrícia, que foi responsável por nos ajudar com a castração, via  Xodó de Bicho, e à Dra Adriana (que atende em Barão na Estrada da Rodhia).
Quando falo no plural, falo em nome também de Nathália, Paula, Melissa, Verônica, Cassiane, Erika ... Nós, que cuidamos e nos apegamos, e que vamos sentir muita falta dessa cachorrinha. A nova dona ficou sabendo da Rosinha pelo site da AAAC, que havia sido indicado a ela pelo pessoal da Ong ATEAC - que faz um trabalho muito bacana com cães terapeutas, vale a pena conhecer.

Ufa, é difícil de acreditar em tudo, desde o começo: que aquela bichinha tão assustada e indefesa sobreviveu, e que agora vai viver em um lar acolhedor e ser a alegria de mais gente.
E pra gente, fica o aprendizado, que para salvar um animal, não é preciso muito, e para amá-lo, menos ainda (com o perdão do clichê).

You May Also Like

13 Comenta aqui >>

  1. Own, amigue, fiquei comovida com a história da Rosinha. Eu sou louca par voltar a ter um animal de estimação, mas o meu pai não quer mais...
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Cachorros são mesmo um presente de Deus! Aqui em casa temos um cachorro que tem ataques de epilepsia direto. Muita gente fala para largarmos ele. Mas não temos coragem pq ele é esperto e muito amoroso.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. ai, que fofura! queria um dog, mas minha alergia não deixa. =/

    ResponderExcluir
  4. Own..que lindo, e as fotos captam exatamente tudo que vc falou!
    Cãoes são criaturas tão especiais né? Depois de perder minha filhinha não quero mais criar outro, foi tanta dor pra mim que me fechei...a dor da perda é insuportável :(
    Mas amei a história da Rosinha!

    ResponderExcluir
  5. louise, quando meu primeiro cachorro, que viveu 10 anos, morreu, eu também não queria mais outro. minha mãe só tinha arranjado cachorro pra me fazer perder o pavor e quando ele morreu eu chorei por mais de um mês.

    um ano depois, apareceu em casa um cachorro na enxurrada, bebezinho, com problema na coluna. botamos pra dentro e hoje ele tem 5 anos e é a alegria da casa.

    sei bem o que você fala de dor da perda, porque minha gatinha de 18 anos morreu 3 dias atrás e parece que eu nunca mais vou conseguir parar de chorar (de novo), mas saber como a gente pode fazer feliz a vida desses bichinhos, principalmente dos adotados, ameniza qualquer dor.

    ResponderExcluir
  6. Belíssima iniciativa e atitude!
    Parabéns!

    JOPZ

    ResponderExcluir
  7. Sua ação foi a das mais lindas. ♥
    E fico muito feliz que a Rosinha tenha encontrado um lar, ela é liiinda.

    Parabéns por tudo.

    Beijos!
    :**

    ResponderExcluir
  8. Que lindo! Aqui em casa tenho uma história parecida: resgatei de um atropelamento a Frida, e ela também tem uma patinha ruim, só anda com três. Ela é tudo na nossa vida, e não imagino nossa vida sem ela hoje, apesar de todas as cirurgias e problemas que ela teve, além de ser bem velhinha já. Quem dera se mais pessoas tivessem atitudes como essa, teríamos uma cidade sem tantos cachorros abandonados por aí... a dor da perda não se compara a todas as horas de felicidade que esses mascotes nos dão. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. É Anna, deveriam existir muito mais pessoas no mundo iguais à vc! Viveríamos em uma sociedade mais creyssonalisticamente humanizada.. o que vc fez pela Rosinha foi maravilhoso!
    Vc sabe o quanto eu sou apaixonada por animais e vendo teu post, fiquei encantada!! Obrigada por cuidar da Rosinha, menina guerreira que agora tem um lar! Fiquei super feliz ;)
    Beijocas

    ResponderExcluir
  10. Q fofos...
    A gente se apega a esses bichinhos, né?
    bj

    ResponderExcluir
  11. Parabéns, que atitude linda!!! A Rosinha ganhou um lar amoroso graças ao seu resgate. E que ela seja feliz e mto amada!!

    bjs

    ResponderExcluir
  12. Ê meninas, que bom ouvir histórias parecidas.

    Vanessa e Louise, meu namorado perdeu o cachorro que tinha desde criança faz pouco mais de um ano, e a família toda ficou arrasada. Hoje temos a Paçoca (a pastor crazy), mas a dor da perda daquele cãozinho nunca vai passar, mesmo pra mim, que só fiquei próxima nos últimos anos de vida dele. E tem gente que não consegue entender porque ficamos de luto quando perdemos os bichinhos, fala sério.

    ResponderExcluir
  13. aaah que post mais lindinho!
    a rosinha vai deixar saudades mesmo! ta vendo como todo o seu empenho valeu a pena! bjos coisa ruiva fofa

    ResponderExcluir

E você, me conta ? Este espaço é para trocarmos ideias ! Se tiver alguma dúvida, deixe um e-mail ou link para que eu possa responder, por favor.