Show da Tia Madonna

by - quinta-feira, dezembro 13, 2012

Quando comecei a gostar da Madonna, Lourdes Maria já havia nascido. Era final da década de 90, eu era adolescente, as Spice Girls já tinham lançado aquele single mala de dar adeus pra Geri, e eu ainda não havia me rendido a Britney Spears (o que aconteceria um pouco mais tarde, mas abafa), e no intuito de suprir esse vazio pop, fui eu descobrir a Tia Madonna. A internet em casa era discada, então eu comprava cds no camelô e alugava VHS. Nessa época comprei o documentário Na Cama com Madonna (do comecinho dos anos 90, que acompanha a turnê Blonde Ambition), e copiei com aquela gambiarra de 2 videocassetes o The Virgin Tour, primeira tour da Madonna, com apenas 3 trocas de roupa e 2 dançarinos. Nesse tempo, eu ouvi muito os álbuns Erotica, Like a Prayer, devorava o The Imaculate Collection, adorava os primeiros cds, das músicas bem oitentinha eu amava ouvir Into The Groove no repeat. Acho que estava na época do Music, e fiquei apaixonada por What It Feels Like for a Girl e Dont Tell Me. Meu apego com a Madonna começou totalmente nostálgico e sentimental, quem havia apresentado o Imaculate Colection pra gente foi uma amiga russa que tinha acabado de ir embora pra Suécia; eu e minha melhor amiga estávamos na época das primeiras desilusões amorosas, então a gente chorava ouvindo La Isla Bonita porque tudo que nós queríamos era estar num lugar onde "a girl loves a boy, anda a booooy, loves a girl".

Enfim, tudo isso pra dizer que embora eu até goste de discos mais recentes, como Music, American Life e Confessions on the dance floor, eu gosto mesmo da Madonna da antigas. E que Hard Candy e MDNA não são assim meus discos favoritos. Mesmo assim, eu fui aos dois últimos shows, não sem algum sofrimento, monetário (esses ingressos são assaltos) e físicos (porque ficar de pé na pista sem fazer xixi por no mínimo 6 horas me deixou um fiasco). 

Eu relutei mas acabei indo com as minhas irmãs no show da semana passada, 4 de dezembro, em São Paulo. Nós ficamos na famigerada pista vip, e embora seja lindo ficar tão pertinho, eu não quero nunca mais ficar perto da grade, as pessoas naquele local se transformam e viram verdadeiros demônios! Sério, o povo parece que vai matar alguém. Mesmo assim, vale muito a pena.


O show é simplesmente sensacional. Não só pelo fato de você estar ali, vendo a lenda viva em carne e osso, mas por tudo: cenários, figurinos, bailarinos ... até o telão de altíssima resolução me deixou tonta! Ninguém executa tão bem o conjunto da obra como a Madonna. 

Claro que tem uns momentos blé, como as músicas novas que eu não gosto e nem fiz questão de ouvir antes, exceto por Revolver, que é sensacional ... Eu baixei e nunca tinha ouvido, me arrependi. Essa é uma das primeiras do show, uma coreografia com dançarinos pendurados em cordas e com armas, cenário de motel barato de filme B, fiquei besta. 

Obviamente, eu pirei nas antigas: não acreditei que ouvi Open your heart, Express Yourself e Like a Prayer ao vivo, embora ela não tenha cantado Like a Virgin, sabe Deus por quê. Foi como ter um gostinho do que teria sido a clássica Blonde Ambition, que assisti milhões de vezes por causa do Na Cama com Madonna. Nessa parte do setlist, acho que até os figurinos homenageavam essa época da tia ...

um pedaço do meu figurino favorito, meio blonde ambition

Impressionante a capacidade dessa mulher (e obviamente, de toda sua equipe de produção) de reunir e mesclar tendências tão diversas como cheerleaders, India, apocalipse, paz mundial, luta contra a homofobia, etc ... Lógico que não dá pra engolir isso tudo sem crítica, que ela mesma se faz quando ironiza sua fase de boa moça. Todo show dela tem um momento social, em Sticky and Sweet era na parte cigana ... Agora na MDNA Tour, logo após Open Your Heart, Madonna teve seu momento "apresentar grupos culturais tradicionais" com o trio basco Kalakan, cantando SagarraJo, uma canção tradicional sobre "esmagar maçãs e paz mundial", como ela explicou em inglês, perguntando se havíamos entendido. Demorei para conseguir encontrar o nome dos caras, talvez quase ninguém tenha procurado, mas enfim, eu achando que os caras eram escoceses, que coisa! Eles são realmente muito bons e também faziam os backing vocals em outros momentos e também cantaram música indiana, em outro momento.

As fotos são todas do show mesmo, tiradas pelas minhas irmãs, que eu não tenho menor saco de fazer isso, hehe. Uia, minha primeira review de show aqui pro blog! Alguém aí também foi ao show ??

*Gente, tô sumidaça, eu sei. Parir este post simples foi díficil e levou mais de uma semana, mas é tudo por causa da correria do fim do ano, ando cheia de vontades e desejos aqui pro blog, não me abandoooooonem !!

You May Also Like

1 Comenta aqui >>

  1. Acho que não tenho mais saúde pra aguentar um show desse porte, ainda mais na pista VIP, mas ver a Madonna de perto deve ser incrível *-*

    Beijos!
    http://pinupinsana.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

E você, me conta ? Este espaço é para trocarmos ideias ! Se tiver alguma dúvida, deixe um e-mail ou link para que eu possa responder, por favor.