5 brinquedos que eu queria ter guardado para meu filho [Rotaroots]

by - segunda-feira, outubro 27, 2014

Eu dei uma dormida no ponto e deixei os temas do Rotaroots todos pro final do mês, então tá decidido que essa vai ser a semana Rotaroots, que os temas de outubro tão uma lindeza só!

Eu amo brinquedos e inclusive sou colecionadora obsessiva de miniaturas. Acho que eu e o namorido somos dois dos adultos com mais brinquedos que eu conheço. Um simples rolê na blogosfera já aponta outros adultos com mais bonequinhos que nós, mas acho que isso tem muito a ver com ter tido uma infância bem sóbria, marcada pela inflação, crises econômicas e um constante medo do desemprego que nossos pais sentiam (e olha que essa era a famosa era de ouro do FHC, segurem essa barra, crianças pró-aécio). Então a gente compensa agora, enquanto ainda temos condições > insira aqui seu comentário crítico pós eleição. 

Não vejo a hora de ter filhos e de eles chegarem a uma idade boa pra brincar, porque eu vou fazer de tudo pra eles: casinha de madeira e papelão, mini objetos, roupinhas de boneca, fantasia de super herói ou do que eles quiserem que eu costure / invente, enfim, vai ser uma bagunça e não interessa se vão ser meninos ou meninas. Sem mais delongas, vamos ao tema da blogagem coletiva: 5 brinquedos que eu queria ter guardado para meus filhos / filhas!

1) Sapatinhos e demais miniaturas da Barbie

taí uma Barbie bem de vida 

Se tinha algo que demonstrava seu status social numa brincadeira de Barbie era o tanto de sapatinhos, móveis e acessórios que você tinha, hahaha. Porque como era caro comprar essas coisinhas pequenas, viu crianças ? E geralmente a boneca vinha com apenas um par de sapatos, que logo era perdido, e também era incomum vender separado, então quanto mais sapatinhos você tinha, geralmente você devia ter muitas Barbies. Pra ajudar, as paraguaias às vezes vinham descalças, hehehe. Com mais duas irmãs meninas, lá perto dos meus dez, doze anos (sim, brinquei de boneca até um pouco depois desta idade, sim, me zuaram na escola por isso, e sim, nem ligo =P), nós conseguimos juntar uma coleção considerável de bonecas e mobiliário (a maior parte do Paraguay, lógico), e consequentemente, uma pequena coleção de miniaturas que guardávamos como verdadeiros tesouros: sapatinhos, utensílios de cozinha e escritório, roupinhas, acessórios pequeninos em geral. Guardamos durante um bom tempo, até nossa irmã mais nova brincar bastante, mas depois foi tudo foi se perdendo nas mudanças e doações, e nem gosto de falar / pensar nisso, que gera desgosto e briga.

2) Bonecas das Spice Girls.

a gente tinha exatamente a Mel B, Mel C e Victoria da primeira foto coleção, e a Emma e Geri da segunda foto, na caixa.

Minha mãe foi estudar na Inglaterra quando erámos crianças, e isso foi a glória para uma fã das spice, como podem imaginar. Eu queria que ela tivesse trazido plataformas e vestidos com a bandeira, mas minha mãe foi sábia e trouxe apenas as bonecas (e doces, muitos doces). Não foram todas, se não me engano a Geri, Mel B e a Emma, e depois compramos aqui no Brasil a Victoria, no meu aniversário. Pouco tempo depois, numa viagem escolar da sexta série (sim, sexta série) eu achei uma Mel C genérica do Paraguay e comprei escondido dos meus colegas, pra não sofrer bullyng, hehe. Então tivemos a banda completa, e creio que ainda devem estar em algum lugar na casa da minha mãe, mas não em perfeito estado. Quebramos algumas cabeças e perdemos pecinhas com o passar do tempo, eu gostaria de ter cuidado melhor, de tê-las tratado como item de coleção, mas por outro lado, me trouxe muita diversão ter brincado tanto assim com elas. 

3) Roupa velha e divertida

não é de hoje o hábito de guardar molambos e travestir-me

Não que eu não guarde toneladas de roupa velha comigo até hoje - como o vestido de lantejoulas da Baby Spice no armário - mas tem algumas especifícas da infância que devem ter virado trapo e eu adorava. Nos divertíamos HORRORES com as roupas velhas da minha mãe, montavámos um monte de figurinos, era echarpe que virava odalisca, roupa branca que virava túnica grega, camiseta mulambenta que virava roupa de mendigo, um verdadeiro desfile. Lembrei esses dias de um vestido de grávida hippie da minha mãe, que era lindo lindo de morrer, e que sujamos de mostarda um dia; gostaria muito de saber onde foi parar, para transformá-lo em blusinha. Podem não ser as mesmas, mas meus filhos podem ficar tranquilos: não vai faltar roupa velha disponível para eles brincarem. 

4) Estojão completão do Paraguay




Taí uma coisa que amei ganhar e que também já revelava meu futuro. Uma pena que era algo que com certeza não ia durar por mais de uma geração - não durava nem um ano escolar, hihi. As canetinhas secavam rápido, a parte de plástico do estojo não aguentava muitas viagens, mas descobrir que aquarela existia era uma coisa ~mágica.

5) Coleções de coisas que eu achava por aí - pedras, florzinhas, botões, etc



Eu brincava muito com coisas que a natureza me dá achava por aí, como flores, folhas, pedrinhas, penas, sementes, botões, cacos de azulejo, todo tipo de coisera. Montava famílias, árvores genealógicas, histórias épicas e intrigas juvenis com essas coisinhas, como se fossem bonecos. Também integrava com a brincadeira da Barbie, usando como comida, arranjo de mesa, e o que mais eu achasse que aquela coisa poderia ser. Uma vez nossa mãe nos levou ao zoológico e fizemos uma coleção de penas que deixou nossas barbies de lado por boas semanas, de tanto que gostamos delas.

Fonte das imagens desta lista: Reprodução de achados no Pinterest ou Google Images, porque infelizmente eu não tenho fotos das coisinhas citadas =(

You May Also Like

0 Comenta aqui >>

E você, me conta ? Este espaço é para trocarmos ideias ! Se tiver alguma dúvida, deixe um e-mail ou link para que eu possa responder, por favor.