Costureiras do meu coração

Sim, este é um post sobre costura, feijão e amor.

Quem não tem a sorte de ter uma mãe prendada (minha mãe ERA prendada, costurava várias coisas pra ela e pra toda a família, mas hoje em dia não tem mais tempo) ou de ser talentosa (eu até tentei, mas sou um nó cego na máquina de costura) e quer mandar fazer coisas bonitinhas, sabe que dá um trabalhinho achar uma costureira pra chamar de sua, que te entenda, não demore anos pra fazer um vestidinho. Costureira é meio que nem cabeleireira, precisa ser alguém que entenda que "só dois dedinhos" são só dedinhos mesmo, seja numa barra de saia ou numa franja de índio.

(foto desse flickr)

Pois bem, nessa procura pela minha costureira, me apaixonei por várias senhorinhas ! A primeira delas a costurar algum desenho de figurino meu foi Eloína, uma gracinha de senhora que fez meu alguns figurinos do meu TCC, a videodança Entre Passos. Ela dizia que era melhor em reformas ou costuras mais simples, mas seus vestidos pro figurino tenham ficado ótimos nas bailarinas.

Depois teve a Hilda, que era super fashion e faladeira, e fazia modelagem muito bem, além de costurar tudo muito rápido. Ela fez em tempo recorde os figurinos pra peça Isabela. O problema da Dona Hilda é que ela morava muito longe, e pegava muita costura da cidade inteira pra fazer, era super concorrida.

Mudei de cidade, e recomeçou minha luta pra encontrar uma costureira. No começo de agosto, uma grande amiga minha ia embora do país, e eu queria presenteá-la com uma saia que eu precisava mandar fazer, porque já tinha o tecido. E pior, tinha que ser rápido, pois a amiga ia embora em menos de 3 semanas. Fui de loja de tecido em loja de tecido pedindo indicações, perguntei pros amigos, joguei no twitter e nada. Liguei pra uns 4 contatos de costureira, e nenhuma delas podia pegar nada pra fazer pelos próximos dois meses ! Comentei com a moça que trabalha na minha casa, e ela me falou da D. Irma, que ficava aqui pertinho.

via blog tofu

Amor à primeira vista ! Dona Irma fez minha saia - presente em tempo recorde, de um dia pro outro e ainda ficamos conversando muito tempo, ela me mostrou outras coisas que ela tinha feito e eu prometi voltar, com mais pano pra manga. Hoje resolvi voltar, levando tecido pra mais uma saia e um vestido. Cheguei na hora do almoço, ficamos conversando muito, ela me mostrou tudo que ela tinha de pano na casa "vou morrer antes de poder costurar tudo isso !!!" e eu acabei encomendando mais uma saia, de babadinhos de renda preta, como sempre quis. Não contente, na hora de ir embora, quase uma hora depois de minha chegada, D. Irma me oferece ... feijão quentinho, que ela havia acabado de fazer !

Tirado daqui.

Não importa quanto tempo eu espere pras roupas ficarem prontas, não importa que fique um pouquinho mais caro e que eu não possa dividir em 8 vezes sem juros, não importa que eu precise voltar várias vezes pra ajustar uma coisinha aqui ou ali. Tem preço uma coisa dessas ?

Um ótimo contraponto ao meu horror por lojas de roupas e templos de consumo em geral.