Pensamentos sobre moda, sustentabilidade e consumo

modaconsciente

Estudar moda, sustentabilidade e consumo consciente tem sido um dos meus assuntos favoritos nos últimos tempos. E ainda bem que o consumo consciente de moda é uma tendência, porque assim tem cada vez mais fonte para pesquisar, mais evento para ouvir pessoas falando e discutir, mais gente pensando sobre o assunto.

Uma das coisas que aprendi recentemente foi usar o termo correto, que é moda consciente. Antes eu me referia ao assunto como moda sustentável, mas este termo ficou um pouco desgastado por conta de tanto eco-marketing usando a expressão "sustentável", não porque se importa, mas porque se trata de uma tendência (e das macros). Quando a gente fala em sustentabilidade, é interessante lembrar que TUDO, tudinho, gera impacto, e que é muito dificil (para não dizer impossível) que alguma coisa, e em especial a moda, possa ser chamada de sustentável. 

E tem aquela simplificação que ser consciente ou sustentável é só "não comprar na Zara ou na Forever 21", quando na verdade o que a gente precisa é olhar para todo o nosso consumo de maneira mais responsável, procurando se informar sobre a origem das matérias primas e quanto impacto o processo de produção gerou no meio ambiente; se a remuneração de todos os funcionários foi digna e atendeu as leis trabalhistas em toda a cadeia de produção do produto; se está acontecendo uma troca justa entre consumidor e loja; entre tantas coisas!

recomendo: 

Livro: Moda Ética para um Futuro Sustentável - Elena Salcedo

Livro: Eco Chic - Matilda Lee

Série no Blog da Oficina de Estilo sobre Consumo Consciente

Fashion Revolution

Guia do Roupa Livre

Outro ponto não tão óbvio quando a gente fala sobre moda consciente é o descarte correto de roupa velha e resíduos de tecido. Você já parou para pensar no que fazer com a roupa que não tem mais vida útil, quer dizer, que não pode ser doada e nem virar paninho de chão ? Sabia que você não pode descartar no lixo comum, tem que levar de volta para a empresa que fabricou para que ela descarte de maneira correta?  

Muita gente faz um pacotão de roupas em condições miseráveis e leva para doação como se estivesse salvando o mundo, quando na verdade só está tirando aquelas peças de roupa da vista. Doar ou jogar no lixo algo que você não usa mais não significa que esta coisa será útil para outra pessoa ou que terá um descarte correto.

peças de Brechó e Acervo de Figurino

Não é para ficar desesperada/o porque você não consegue mudar todos os seus hábitos de uma vez só - o importante é que a gente traga estes questionamentos para o nosso comportamento do dia a dia, para começar a mudar um pouco de cada vez, do jeito que puder, com os recursos temos no momento. E aí eu te pergunto:

O que você pode ou consegue fazer, agora ? 

Eu, Anna, tenho feito:

  • Cuido muito melhor de tudo, aprendi a tirar quase qualquer mancha (vanish e bicarbonato fazem milagres), não tenho mais preguiça de trocar botão ou fazer pequenos ajustes;
  • Pesquiso muito sobre o assunto e tento me informar sobre alternativas conscientes ou como as grandes empresas do mercado estão se posicionando quanto ao assunto;
  • Faço brechó com peças minhas e das amigas por consignação, para fazer roupa parada circular e mudar de mãos, movimentar economia e gerar renda;
  • Doação consciente - só coloco para doar coisas em bom estado, que podem ser usadas ou vendidas para outra pessoa, e prefiro entregar para instituições que conheço o trabalho, como o Tudo Serv do Alan Kardec ou o Bazar da Sobrapar. Sim, já doei roupinha muito gasta e hoje em dia me envergonho disso - doação não é descartar coisa que não dá pra ninguém usar!
  • Quase não compro mais roupa, alguma coisa de brechó e vá lá. Isso não foi muito consciente - eu simplesmente fui parando de comprar por impulso, e mesmo quando preciso, penso 300 vezes antes de comprar. 

O que eu não consigo fazer (ainda)

  • Consumo totalmente consciente - hoje em dia compro muuuuito menos roupa, geralmente de brechós ou pequenos empreendedores, mas ainda faço uma compra ou outra em lojonas. Minha média de compra é 1 peça a cada 2 meses, mais ou menos, mas ganho muita coisa e tenho certeza que tenho mais roupas do que preciso. Também nunca consegui comprar uma peça nova que seja considerada toda ética, por causa de $; e ainda por este motivo, ainda compro muito mal: às vezes compro algo porque acho que estou "precisando" mesmo sabendo que talvez a peça não dure tanto, sabe ?
  • Descarte consciente - eu tento juntar o máximo de resto de tecido para tentar utilizar em produções de figurino ou artesanato mais tarde, mas assim - nem todo o lixo do mundo consegue virar arte... Muita gente sempre me deu muita coisa - retalhos ou peças de tecido - pensando: "ah, mas a Anna trabalha com teatro, ela vai dar um jeito de usar isso de um jeito criativo". Então sim, às vezes eu jogo retalhos e resíduos muito pequenos (os grandes eu guardo) no lixo comum, porque não tenho espaço para guardar em casa e procurar onde descartar. Mas é algo que quero muito mudar!

Se você é de Campinas e quiser conversar mais sobre o assunto, você precisa conhecer as ações do VID Estúdio Criativo em relação ao assunto, como a oficina Armário Consciente e nosso Bazar da Troca. Para ficar sabendo quando acontecem às ações, tem que fiar ligadinh@ nos nossos canais: insta | face | se inscrever na mala direta. 

E não esquece de continuar a conversa nos comentários, o que você já faz ou quer fazer em relação à moda consciente ?